Como o Brasil é visto desde fora

Como o Brasil é visto desde fora

Jul 06

Faz alguns anos atrás, eu respondi à uma pergunta que foi feita aos leitores do jornal O Globo na internet: “Como o Brasil é visto pelos jornais americanos?”

Eu respondi que eu não podia falar sobre os jornais americanos, mas que vivendo na Espanha, imágem do Brasil, além de ser o país do futebol, carnaval e prostituição, a mídia espanhola distorce a percepção do Brasil e de outros países do terceiro mundo, principalmente dos países que foram colonizados pela Espanha. Uma enchente com mortes num país latino-americano é diferente se a história acontece, por exemplo, na Alemanha. Para os espanhóis os latinos são tratados como uns pobres coitados, que sem a ajuda da Espanha eles não tem como sair do atoleiro.

Além disso quantas vezes eu vi na TV e em jornais informações errôneas sobre o Brasil: todo o brasileiro é carioca ou que o Pantanal fica no meio da Amazônia…

Ou de pessoas de todas as partes ao saber que eu sou brasileira me perguntarem: “O Brasil fica acima ou abaixo do Equador?”, ou o comentário “Brasileira? Ah! Pois eu conheço uma venezuelana…”

Depois de viver vários anos em Barcelona, fui viver em Miami. Eu estava lá no dia 9 de setembro, no dia dos ataques às torres gêmeas em Nova Iorque, vendo a TV americana dizendo que não poderiam informar aos cidadãos americanos onde se encontrava o presidente por problemas de segurança, mas que ele estava seguro no Airforce One sobrevoando alguma área dos EUA, eu dei risada, já que através da internet se podia ver em jornais europeus a localização exata do Bush!

Comentando com uma senhora que não se tinha notícias sobre outros países, só o que estava diretamente relacionado com os EUA, ela me respondeu com a pergunta: “Pra que você quer saber sobre o Afeganistão? Está tão longe!”

O que responder para uma pessoa que vê o mundo dessa forma?

Informação é tudo!

Vivendo fora do Brasil desde 1990 (uau! tanto tempo!) eu poderia continuar contando histórias parecidas, mas na minha experiência, nós brasileiros também temos, como todo o resto do mundo, idéias pré-concebidas sobre muitos outros países e culturas… A tendência de condenar certas atitudes por que a nossa cultura é diferente é normal, mas eu aprendi que por mais que eu não concorde com certa mentalidade cultural, ao estar no país dos outros devemos respeitar e aprender o máximo pra pelo menos não cometer as mesmas gafes citadas acima…

Comento tudo isso porque acabo de ver um vídeo de uma escritora nigeriana, Chimamanda Adichie, que nos conta o perigo de uma história única. Vale a pena ver…

E agora que estou a caminho de Xangai, lhes pergunto “o que vocês sabem sobre a China e a sua cultura?

Cavernas Ellora

Cavernas Ellora

Feb 15

No fim-de-semana passado fomos visitar uma caverna, mas bem diferente do que se espera de uma caverna, se chama Ellora e está a uns 30 quilômetros de Aurangabad, na Índia.

Ellora consta de um total de 34 cavernas escavadas durante um período de 600 anos, do século 5 ao 11 d.C. O templo de Kailasa é a maior estrutura monolítica do mundo, mas as fotos falam por si mesmas… confira:



Vestígios portugueses em Goa?

Vestígios portugueses em Goa?

Jan 03


Para quem não sabe, ou não se lembra, Goa é um pequeno estado na Índia que esteve na mão dos portugueses durante 450 anos e só foi liberada em 1961. Não faz tanto tempo assim, não?

Pois além das igrejas, capelas católicas espalhadas por todos os cantos e alguns sobrenomes, como Vaz, Pereira, que se vê anunciando o dono de certo local ou restaurante, pouco sobrou dos portugueses (leia mais aqui).

Só uma pessoa notou que eu falava português e me disse que só os velhos sabem essa língua.

Só mesmo prestando atenção é que se percebe a influência portuguesa: no trabalho da madeira (utilizado para adornar as igrejas e hoje usado para fabricação de móveis), na arquitetura das casas coloniais, no fato de se encontrar castanha-de-cajú em Goa, que foi trazida do Brasil pelos portugueses…

Mas a paisagem, o pequeno comércio, me lembrou muito mais a minha infância, quando ia ao litoral norte de São Paulo à 20 anos atrás.

Além disso, um dos pratos característicos da região, o peixe ao curry, me lembrou a peixada brasileira, já que ambos pratos usam leite de côco.